Arquivos da categoria: Canções

Lua-Brilhante (Moonglow)


de “Olhos”, de Patricia Talem

2011_Patricia_Talem_Olhos_1024

A Lua-brilhante,
Que no alto se vê,
A Lua-brilhante
Levou-me até você.

Você me dizia:
“Querido, me abrace”.
E a Deus eu pedia:
“Que isso nunca passe”.

Nós flutuávamos no ar.
Lindas canções vinham de todo lugar.

Se a Lua-brilhante
No alto se vê,
Eu lembro que ela
Foi quem me deu você.

___________________________________________

It must have been moonglow
Way up in the blue;
It must have been moonglow
That led me straight to you.

I still hear you sayin´:
“Dear one, hold me fast”.
And I keep on prayin´:
“Oh Lord, please let this last”.

We seemed to float right through the air.
Heavenly songs seemed to come from everywhere.

And now when there´s moonglow
Way up in the blue,
I´ll always remember
That moonglow gave me you.

Música de Will Hudson e Irving Mills e letra de Edgar DeLange, 1933

Canto, Logo Existo


de “Vam-Bo-Ra lá dançar”, de Elba Ramalho

2013_Elba_Ramalho_Vambora_La_Dancar_1024

Por cantar eu existo
Eu canto por isto
Não desisto de cantar

Ao cantar não resisto
Me rendo a isto
É mais forte que pensar

Em cantar eu insisto
Pois nada igual isto
Pra poder me encantar

Pra cantar eu existo
Como o sol existe
Pra brilhar e brilhar

E o rio existe pra
Fluir, fluir
A nuvem, pra flutuar
A lua, pra refletir
A flor, florir
E o mar, o mar…

Por cantar eu existo
Pois nada igual isto
Pro meu mal afugentar

Ao cantar eu não disto
De mim, em vez disto
Eu me encontro ao cantar

Pra cantar eu existo
Como o sol existe
Pra brilhar e brilhar

E o rio existe pra
Fluir, fluir
A nuvem, pra flutuar
A lua, pra refletir
A flor, florir
E o mar, o mar…

Quando o sol redondo brilha
Como nessa redondilha
Essa luz que maravilha
É o sol a cantar
Quando a gente tá cantando
Não importa onde ou quando
Essa voz irradiando
É a gente a brilhar

O rio existe pra
Fluir, fluir
A nuvem, pra flutuar
A lua, pra re-luzir
A flor, florir
E o mar, pra não terminar…

Fruta Estranha (Strange Fruit)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Árvores do Sul
Dão fruta estranha;
Folha ou raiz,
Em sangue se banha;
Corpo de negro
Balançando, lento;
Fruta pendendo
De um galho ao vento.

Cena pastoril
Do Sul celebrado;
A boca torta
E o olho inchado;
Cheiro de magnólia
Chega e passa;
De repente o odor
De carne em brasa.

Eis uma fruta
Pra que o vento sugue,
Pra que um corvo puxe,
Pra que a chuva enrugue,
Pra que o Sol resseque,
Pra que o chão degluta,
Eis uma estranha
E amarga fruta.

______________________________________________

Southern trees
Bear strange fruit;
Blood on the leaves
And blood at the root;
Black bodies swinging
In the southern breeze,
Strange fruit hanging
From the poplar trees.

Pastoral scene
Of the gallant South;
The bulging eyes
And the twisted mouth;
Scent of magnolia,
Sweet and fresh;
Then the sudden smell
Of burning flesh.

Here is a fruit
For the crows to pluck,
For the rain to gather,
For the wind to suck,
For the sun to rot,
For the tree to drop;
Here is a strange
And bitter crop.

Música e letra de Lewis Allan, 1936

Pronto pra Próxima


de “Não Vou Pro Céu Mas Já Não Vivo no Chão”, de João Bosco

2009_Joao_Bosco_Nao_Vou_pro_Ceu__Mas_Ja_Nao_Vivo_no_Chao_1024

Ela incendiou meus dias mornos e normais,
Muito embora às vezes meio tonta…

Mas qualquer mulher não faz as coisas que ela fez;
Mais prazer não dá do que me dava toda vez.
Negra, linda, leve, nova, vejam vocês,
Com nitidez:
Eis minha ex.

Diante do eclipse desse amor,
Ante seu anti-resplendor,
A noite vem reacender
Memórias do calor e do clarão
De cada instante de explosão
Irradiante de prazer.

Me tirando o sono e roubando a minha paz,
O desassossego toma conta.

Portanto o que me importa é pôr um ponto
Enfim nas contas desse amor,
Em cada contra, em cada pró,
E me dispor pro próximo e estar pronto
E ir ao encontro do que for:
O que já era já é pó.

Quero agora uma nova ela,
Pro meu dia irradiar
E meu coração sorrir;
Uma nova ela, nova estrela,
Pr’eu seguir e me guiar,
Me guiar e me seguir.

Agora Sim

Amor assim, não tem, não, quem não queira
Quem me quer bem, é bem quem eu queria
Agora sim me sinto mais inteira
No meu caminho, nessa companhia

Agora sim me sinto mais inteira
No meu caminho, nessa companhia

Agora eu tenho quem come em minha mão
Que antes só, só em sonho eu tinha
Quem me completa mente e coração
E tá completamente sim, na minha

Dona Melancolia já não me detona sem dó
E a senhora Alegria já não me abandona
Pois agora eu não sou só eu só

(2x)

Agora eu tenho e ninguém me tira
Eu tenho amor que não é de mentira
Agora eu tenho quem eu tinha em mira
Eu tenho quem me tem e me admira

Amor assim…

Não Dá Pé


de “Vida Nova”, de Edu Leal.

2011_Edu_Leal_Vida_Nova_1024

Aqui, sem jacarandá,
Sem cambuci e sem jerivá,
Não dá, não dá;
Sem pau-marfim,
Sem resedá
E sem ipê,
Em SP,
Não dá, não dá,
Não dá pé!
Não dá pé!

Com tipuana e com pitangueira,
Aí dá pé, aí dá pé;
Sibipiruna, jabuticabeira,
Aí dá pé;
Com alfeneiro e com quaresmeira,
Aí dá pé, aí dá pé;
Pau-ferro, ipê-roxo, ipê-amarelo,
Aí dá pé.

Excesso
De cinza e escassez
De verde.
Extensas plantações
De prédios
E quarteirões
Inteiros
Sem uma árvore,
Ali em Santa Cecília e
Lá no Brás, lá na Sé.
Nenhum pé!
E só no mês de abril
Três mil
Já foram para o chão.
Ergueram mais torres altas.
Tal verticalização
Não dá pé!

Porém, com jacarandá,
Com cambuci e com jerivá,
Dá, sim, dá, sim;
Com pau-marfim,
Com resedá
E com ipê,
Em SP,
Dá, sim, dá, sim,
Sim, dá pé!
Assim, dá pé!

Aqui, sem jacarandá,
Sem cambuci e sem jerivá,
Não dá, não dá;
Sem pau-marfim,
Sem resedá
E sem ipê,
Em SP,
Não dá, não dá,
Não dá pé!

Estava Escrito Nas Estrelas (It Was Written in the Stars)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

´Tava escrito nas estrelas,
E o que estava escrito lá será.
´Tava escrito na amplidão
Que somente o coração verá.

E aí,
Seja pra sofrer,
Seja pra sorrir,
Assim vai ser;
De súbito eu vi:
Só há você.

Eis você comigo,
Como eu já sonhei;
Eis que o meu futuro eu
Lhe entreguei.

Nas estrelas se escreveu:
Seu amor tem que ser meu,
Pra eu me libertar;
E cinza pode o céu ser,
Louco posso eu ser,
O que o céu previu será.

E assim
Será.

___________________________________________________

It was written in the stars,
What was written in the stars shall be.
It was written in the skies
That the heart and not the eyes shall see.

And so,
Whether it bring joy,
Whether it bring woe,
It shall be done;
Now suddenly I know
You are the one.

Here, as in a daydream,
By my side you stand;
Here, with my tomorrows
In your hands.

It was written high above
That I have to have your love
Or I’ll never be free;
And cloudy though the day be,
Crazy though I may be,
What the stars foretold shall be.

And so
Shall it be…

Música de Harold Arlen e letra de Leo Robin, 1948

Mais Além do Arco-Íris (Over the Rainbow)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Quando este mundo é uma triste zorra,
E uma chuva jorra,
Lá do além
Do céu uma saída vem.

Quando no céu há só nuvem negra,
Um arco-íris chega
Pra ligar
A janela do teu lar
A um lugar depois do Sol,
Um degrau além da chuva…

Tem, além do arco-íris,
Um lugar,
Do qual num acalanto
Eu já ouvi falar.

Lá, além do arco-íris,
No azul, lá,
O teu sonho mais louco
Se realizará.

A uma estrela eu pedirei,
E lá em cima acordarei
Um dia;
Problema vira picolé
Por sobre a antena, a chaminé
E a nuvem fria.

Mais além do arco-íris,
No alto-céu,
Voam pássaros raros –
Por que não posso eu?

Se pássaros avoam no alto-céu,
Então por que não posso eu?

______________________________________________

When all the world is a hopeless jumble,
And the raindrops tumble
All around,
Heaven opens a magic lane.

When all the clouds darken up the skyway,
There´s a rainbow highway
To be found,
Leading from your window pane
To a place behind the sun,
Just a step beyond the rain…

Somewhere over the rainbow,
Way up high,
There´s a land that I´ve heard of
Once in a lullaby.

Somewhere over the rainbow,
Skies are blue,
And the dreams that you dare to dream
Really do come true.

Some day I´ll wish upon a star,
And wake up where the clouds are far
Behind me;
Where troubles melt like lemon drops,
Away above the chimney tops,
That´s where you´ll find me.

Somewhere over the rainbow,
Bluebirds fly,
Birds fly over the rainbow –
Why then, oh why can´t I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow, why, oh why can´t I?

Música de Harold Arlen e letra de E.Y. Harburg, 1939

Sábio Rio (Ol´ Man River)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Preto dá duro no Mississippi,
Duro pro branco poder brincar,
Puxando barco, não descansando,
Até o Juízo Final chegar.

Baixe o olhar,
Não diga não,
Não deixe puto
O seu patrão.
Curve o corpo,
É seu dever,
E puxe a corda
Até morrer.

Quero deixá longe o Mississippi,
Quero deixá meu sinhô pra lá,
E vê o rio que é velho e sábio,
Rio Jordão que inda vô cruzar.

Sábio rio,
O rio sábio,
Que sabe tudo
Mas fica mudo,
Só vai rolando,
Vai só rolando, ao léu.

Num planta nada,
Nem algodão,
Quem planta não é
Lembrado, não.
O sábio rio
Vai só rolando, ao léu.

Nós aqui
No suador,
Corpo já morto
De esforço e dor –
Puxe o barco!
Pegue o peso!
Beba um pouco mais
E você vai preso…

Já tô cheio,
Sofrer me frustra,
Viver me cansa,
Morrer me assusta;
Mas, sábio, o rio
Vai só rolando, ao léu.

______________________________________________

Colored folks work on de Mississippi,
Colored folks work while de white folks play,
Pullin´ dem boats from de dawn to sunset,
Gittin´ no rest till de Judgement Day.

Don’ look up
An´ don´ look down –
You don´ dast make
De white boss frown.
Bend your knees
An´ bow your head,
An´ pull dat rope
Until yo´ dead.

Let me go ´way from de Mississippi,
Let me go ´way from de white man boss;
Show me dat stream called de river Jordan,
Dat´s de ol´ stream dat I long to cross.

Ol´ Man River,
Dat Ol´ Man River,
He mus´ know sumpin´
But don´ say nuthin´,
He jes´ keeps rollin´,
He keeps on rollin´ along.

He don´ plant taters,
He don´ plant cotton,
An´ dem dat plants´em
Is soon forgotten,
But Ol´ Man River,
He jes´ keeps rollin´ along.

You an´ me,
We sweat an´ strain,
Body all achin´
An´ racked wid pain –
Tote dat barge!
Lif´ dat bale!
Git a little drunk,
An´ you land in jail…

Ah gits weary
An´ sick of tryin´;
Ah´m tired of livin´
An´ skeered of dyin’,
But Ol´Man River,
He jes´ keeps rollin´ along.

Música de Jerome Kern e letra de Oscar Hammerstein II, 1927

Tão Fundo É o Mar (How Deep Is The Ocean)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

O quanto eu te amo
Eu vou te contar:
Tão alto é o céu,
Tão fundo é o mar.

Por dia quantas vezes em ti penso eu?
Em quantas rosas orvalho choveu?

Quão longe eu iria
Pra estar onde estás?
Quão longe é a jornada
Pra estrela lilás?

Se eu te perder um dia,
Quanto eu vou chorar?
Quão alto é o céu?
Quão fundo é o mar?

_______________________________________________

How much do I love you?
I´ll tell you no lie.
How deep is the ocean?
How high is the sky?

How many times a day do I think of you?
How many roses are sprinkled with dew?

How far would I travel
To be where you are?
How far is the journey
From here to a star?

And if I ever lost you
How much would I cry?
How deep is the ocean?
How high is the sky?

Música e letra de Irving Berlin, 1932

Natal Lindo (White Christmas)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Eu sonho um Natal lindo,
Igual aqueles que eu vivi;
Árvores luzindo,
Criança ouvindo
O som de um sino por aí.

Eu sonho um Natal lindo,
Com um cartão postal que diz:
Tenha dias cheios de luz,
Tenha sempre um Natal feliz.

______________________________________________________

I´m dreaming of a white Christmas,
Just like the ones I used to know,
Where the treetops glisten
And children listen
To hear sleigh bells in the snow.

I´m dreaming of a white Christmas,
With every Christmas card I write.
May your days be merry and bright,
And may all your Christmases be white.

Música e letra de Irving Berlin, 1940

Queria Estar Amando Alguém (I Wish I Were in Love Again)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Quer saber? Eu melhorei,
Por termos separado.
Quer saber? Eu isolei,
Rindo, machucado.

Hoje eu como e durmo bem;
Já me restabeleci.
Quer saber? Já me enchi!

O sono mau,
O baita pau,
A baixaria após o alto-astral,
Me falta o pega e a pegação fatal –
Queria estar amando alguém.

O bolo, pô,
O rolo, sô,
O odiável ódio e um amor de amor,
O papo com o prato voador –
Queria estar amando alguém.

Sem pressão,
Nem tensão,
Eu tô são, mas
Preferia estar louco!

O arranca-rabo exemplar
De um cão e um gato, um casal sem par,
Saquei o lance, mas queria estar
Amando alguém.

O atrito, eh,
O grito, eh,
O dito: “Eu vou te amar até morrer”,
O autoengano ao mentir e crer –
Queria estar amando alguém.

No que degela,
O amor revela
O amaro aroma de uma fera bela,
O duplo ardil do par de saltos dela –
Queria estar amando alguém.

Sem um bem,
Sem porém,
Eu tô zen, mas
Eu queria estar alto!

Perdão, sinhá,
Eu me amarrar
Na velha guerra de um casal, um par;
Não amo a calma e queria estar
Amando alguém.

________________________________________________________

You don´t know that I felt good,
When we up and parted.
You don´t know I knocked on wood,
Gladly broken-hearted.

Worrying is throught, I sleep all night,
Appetite and health restored.
You don’t know how much I´m bored!

The sleepless nights,
The daily fights,
The quick toboggan when you reach the heights,
I miss the kisses and I miss the bites –
I wish I were in love again.

The broken dates,
The endless waits,
The lovely loving and the hateful hates,
The conversation with the flying plates –
I wish I were in love again.

No more pain,
No more strain,
Now I´m sane, but
I would rather be ga-ga!

The pulled out fur of cat and cur,
The fine mismating of a him and her,
I´ve learned my lesson, but I wish I were
In love again.

The furtive sigh,
The blackened eye,
The words: “I´ll love you ´til the day I die”,
The self-deception that believes the lie –
I wish I were in love again.

When love congeals,
It soon reveals
The faint aroma of performing seals,
The double-crossing of a pair of heels –
I wish I were in love again.

No more care,
No despair,
I´m all there now,
But I´d rather be punch-drunk!

Believe me, sir,
I much prefer
The classic battle of a him and her,
I don´t like quiet, and I wish I were
In love again.

Música de Richard Rodgers e letra de Lorenz Hart, 1937

Nêgo (Lover)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Nêgo, quando chegas
E me pegas a chamar,
Uma chama chega a me queimar.

Nêgo, em nossas danças,
Tu me lanças teu olhar,
E eis do amor em transe a música.

O meu futuro ´tá em ti,
Eu te projeto em meu céu.
Promete seguir em frente
Sendo meu.

Nêgo, me aconchegas,
Quando chegas com amor;
Nego, eu me entrego sem temor.

Nêgo, que fissura
A ventura imoral
De dois lábios puros de coral!

Nêgo, o diabo ´tá em ti,
E eu vou tentar não ceder,
Mas se não fores em frente,
Vou morrer.

Nêgo, se me pegas
E me alegras, podes crer,
Nego, eu não nego te querer.

____________________________________________________

Lover, when I´m near you,
And I hear you speak my name,
Softly, in my ear you breathe a flame.

Lover, when we´re dancing,
Keep on glancing in my eyes,
Till love´s own entrancing music dies.

All of my future is in you.
You´re every plan I design.
Promise me that you´ll continue
To be mine.

Lover, please be tender;
When you´re tender, fears depart;
Lover, I surrender to my heart.

Lover, it´s immoral,
But why quarell with our bliss,
When two lips of coral want to kiss?

I say, “The devil is in you”,
And to resist you I try.
But if you didn´t continue,
I would die.

Lover, when you take me,
And awake me, I will know,
Lover, you can make me love you so.

Música de Richard Rodgers e letra de Lorenz Hart, 1933

Meu Romance (My Romance)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Meu romance
Não precisa de luar lá no céu,
Meu romance,
Nem de estrela a cintilar em um véu,

Nem do verão,
Do azul do mar,
De um violão,
De algum lugar.

Meu romance
Não precisa de castelo ou salão,
Nem que eu dance
A um sempre novo e belo refrão.

Acordado,
Faço o meu sonho encantado acontecer.
Meu romance
Só precisa de você.

______________________________________________________

My romance
Doesn´t have to have a moon in the sky;
My romance
Doesn´t need a blue lagoon standing by;

No month of May,
No twinkling stars,
No hideaway,
No soft guitars.

My romance
Doesn´t need a castle rising in Spain,
Nor a dance
To a constantly surprising refrain.

Wide awake,
I can make my most fantastic dreams come true.
My romance
Doesn´t need a thing but you.

Música de Richard Rodgers e letra de Lorenz Hart, 1935

Encantada (Bewitched, Bothered and Bewildered)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Após nove ou dez conhaques,
Acordei qual uma flor,
Sem Engov nem ataques;
Nem senti tremor.
Homem sempre me aparece;
Geralmente bem me dou.
Mas um meia-boca desse
Me desconcertou.

Tinindo estou;
Curtindo estou;
Criança, chorando e sorrindo estou;
Inquieta, tonta e encantada estou.
Sem dormir,
Não tem dormir,
O amor vem e diz: não convém dormir… –
Inquieta, tonta e encantada estou.
Me perdi, dominada,
E daí? Errei, sim.
Ele é uma piada,
A piada sobre mim.
Ele é o fim,
E até o fim
Vou tê-lo pra vê-lo, com fé, no fim,
Inquieto, tonto e encantado também.

Vi demais,
Vivi demais,
Mas hoje eu já adolesci demais –
Inquieta, tonta e encantada estou.
Niná-lo eu vou,
No embalo, eu vou,
Um dia na pele grudá-lo eu vou –
Inquieta, tonta e encantada estou.
Ao falar, ele sente
Travação, timidez;
Mas horizontalmente
Falando, ele é dez.
Perplexa, enfim,
Com nexo, enfim,
Com – graças a Deus – muito sexo, enfim,
Inquieta, tonta e encantada estou.

Ele é um tolo, mas um tolo
O seu charme às vezes tem;
Em seus braços eu me enrolo,
Que nem um neném.
Caso é aquela coisa louca;
Nem dormindo eu estou,
Desde que esse meia-boca
Me desconcertou.

Que bom, assim,
Mignon, assim,
E com meu estilo, em meu tom, assim,
Inquieta, tonta e encantada estou.
Quem sou eu?
Alguém sou eu
Ardendo ao pensar que o seu bem sou eu –
Inquieta, tonta e encantada estou.
“Não, senhor, obrigada” –
No início eu falei.
Hoje a gente é chegada
Mais do que Erasmo e o Rei.
Pronta, então,
Desponto, então,
Pantera, madura, no ponto, então –
Inquieta, tonta e encantada estou.

Sensata, enfim,
Constato, enfim,
Sua baixa estatura de fato, enfim –
Inquieta, tonta e encantada não mais.
Doeu demais;
Rendeu demais;
Você ganhou muito e perdeu demais ––
Inquieta, tonta e encantada não mais.
Tive um surto dispéptico,
Mas viver já não dói.
Tenho o peito antisséptico,
Dês que você se foi.
Romance – finis;
Sem chance – finis;
Calor a invadir meu colant – finis;
Inquieta, tonta e encantada não mais.

_________________________________________________

After one whole quart of brandy,
Like a daisy I awake.
With no Bromo-Seltzer handy,
I don´t even shake.
Men are not a new sensation;
I´ve done pretty well, I think.
But this half-pint imitation
Put me on the blink.

I’m wild again,
Beguiled again,
A simpering, whimpering child again –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
Couldn´t sleep
And wouldn´t sleep
When love came and told me I shouldn´t sleep –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
Lost my heart, but what of it?
My mistake, I agree.
He´s a laugh, but I love it,
Because the laugh´s on me.
A pill he is,
But still he is
All mine and I´ll keep him until he is
Bewitched, bothered and bewildered like me.

I´ve seen a lot –
I mean a lot –
But now I´m like sweet seventeen a lot –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
I´ll sing to him,
Each spring, to him,
And long for the day when I´ll cling to him –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
When he talks, he is seeking
Words to get off his chest.
Horizontally speaking,
He´s at his very best.
Vexed again,
Perplexed again,
Thank God, I can be oversexed again –
Bewitched, bothered and bewildered am I.

He´s a fool, and don´t I know it,
But a fool can have his charms;
I´m in love, and don´t I show it,
Like a babe in arms.
Love´s the same old sad sensation;
Lately I´ve not slept a wink,
Since this half-pint imitation
Put me on the blink.

Sweet again,
Petite again,
And on my proverbial seat again –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
What am I?
Half shot am I.
To think that he loves me so hot am I –
Bewitched, bothered and bewildered am I.
Though at first we said “No, sir”,
Now we´re two little dears.
You might say we are closer
Than Roebuck is to Sears.
I´m dumb again,
And numb again,
A rich, ready, ripe little plum again –
Bewitched, bothered and bewildered am I.

Wise at last,
My eyes at last
Are cutting you down to your size at last –
Bewitched, bothered and bewildered no more.
Burned a lot,
But learned a lot,
And now you are broke, so you earned a lot –
Bewitched, bothered and bewildered no more.
Couldn´t eat, was dyspeptic;
Life was so hard to bear;
Now my heart´s antiseptic,
Since you moved out of there.
Romance – finis.
Your chance – finis.
Those ants that invaded my pants – finis.
Bewitched, bothered and bewildered no more.

Música de Richard Rodgers e letra de Lorenz Hart, 1941

O Homem que Partiu (The Man That Got Away)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

O vento gela,
O céu não tem estrela,
A noite enfada,
E tu, tão acabada –
De tudo a causa é o homem que partiu.

Não mais seu papo a fim,
E há um sinal ruim;
Teu sonho acaba enfim
No vazio.

Quem te fatura,
Dá o fora e te tritura.
Um grande início
Tem um final difícil.
Não entendes nada.
É um jogo louco e mau!

Não mais aquele “ah!”;
Passaste por todas já;
Jamais novo amor virá
A ser igual.

Vai tarde, tchau, tchau!
Já não cais num truque dele.
Mas tola é tola –
E quede ele?

A estrada é dura,
Deserta e sem brandura.
A espera estressa –
Quem sabe ele apareça.
Não para nunca,
É dia e noite a fio.

Dês que o mundo mundo é,
Coisa mais triste é mulher
De um só homem
Aguardando o homem que partiu…

O homem que partiu.

________________________________________________________

The night is bitter,
The stars have lost their glitter;
The winds grow colder
And suddenly you’re older –
And all because of the man that got away.

No more his eager call,
The writing’s on the wall;
The dreams you dreamed have all
Gone astray.

The man that won you
Has run off and undone you.
That great beginning
Has seen its final inning.
Don’t know what happened.
It’s all a crazy game.

No more that all-time thrill,
For you’ve been through the mill –
And never a new love will
Be the same.

Good riddance, good-bye!
Ev´ry trick of his you’re on to.
But fools will be fools –
And where’s he gone to?

The road gets rougher,
It’s lonelier and tougher.
With hope you burn up –
Tomorrow he may turn up.
There’s just no let-up
The live-long night and day.

Ever since this world began,
There is nothing sadder than
A one man woman
Looking for the man that got away…

The man that got away.

Música de Harold Arlen e letra de Ira Gershwin, 1954

O Bobo e o Babaca (The Babbitt and the Bromide)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Um Bobo e um Babaca, num passeio à beira-mar,
Se topam e papeiam no seu jeito singular.
Os dois são respeitáveis, cada qual um cidadão,
E a gente logo nota que eles têm os pés no chão.

– Olá! – Como está?
– Diga aí! – Que que há?
– Tô bem! – Legal!
– Haha! – Menos mal!
– Bem, bem… – E então?
– Lindo dia! – Como não?
– E o pessoal? – Que que há?
– Que bom! – Como está?

O tempo ´tá bonito mas me dói olhar o céu:
Saí de guarda-chuva e obviamente não choveu.

– Ai, ai! – É a vida!
– E a patroa? – E a lida?
– Já ´tá tarde! – Meu Deus!
– ´Tão tá! – Fica assim… – Adeus!

Dez anos se passaram pr´esses homens essenciais,
Até que se toparam por acaso uma vez mais.
Que os dois evoluíram não há dúvida pra gente,
E assim os dois têm muito o que contar, naturalmente.

– Olá! – Como está?
– Diga aí! – Que que há?
– Tô bem! – Legal!
– Haha! – Menos mal!
– Bem, bem… – E então?
– Lindo dia! – Como não?
– E o pessoal? – Que que há?
– Que bom! – Como está?

Já vi a sua cara, mas seu nome é mesmo qual?
Ah, como está, garoto? ´Cê não muda, tá igual!

– Ai, ai! – É a vida!
– E a patroa? – E a lida?
– Já ´tá tarde! – Meu Deus!
– ´Tão tá! – Fica assim… – Adeus!

Vinte anos mais se passam; de repente no jardim
Da casa de São Pedro reencontram-se por fim.
Asinhas têm nas costas, e nas mãos têm uma harpinha,
Que os dois vão dedilhando, entoando a ladainha:

– Olá! – Como está?
– Diga aí! – Que que há?
– Tô bem! – Legal!
– Haha! – Menos mal!
– Bem, bem… – E então?
– Lindo dia! – Como não?
– E o pessoal? – Que que há?
– Que bom! – Como está?

Você ficou um pouco mais cheinho, me parece;
Ei, vem me visitar e tomar uma um dia desse.

– Ai, ai! – É a vida!
– E a patroa? – E a lida?
– Já ´tá tarde! – Meu Deus!
– ´Tão tá! – Fica assim… – Adeus!

_______________________________________________________

A Babbitt met a Bromide on the avenue one day.
They held a conversation in their own peculiar way.
They both were solid citizens – they both had been around.
And as they spoke you clearly saw their feet were on the ground:

– Hello! – How are you?
– Howza folks? – What´s new?
– I´m great! – That´s good!
– Ha! Ha! – Knock wood!
– Well! Well! – What say?
– Howya been? – Nice day!
– How´s tricks? – What´s new?
– What´s fine! – How are you?

Nice weather we are having but it gives me such a pain:
I’ve taken my umbrella so of course it doesn’t rain.

– Heigh ho! – That´s life!
– What´s new? – Howza wife?
– Gotta run! – Oh, my!
– Ta! Ta! – Olive oil! – Good bye!

Ten years went quickly by for both these sub-sti-an-tial men,
And then it happened that one day they chanced to meet again.
That they had both developed in ten years there was no doubt,
And so of course they had an awful lot to talk about.

– Hello! – How are you?
– Howza folks? – What´s new?
– I´m great! – That´s good!
– Ha! Ha! – Knock wood!
– Well! Well! – What say?
– Howya been? – Nice day!
– How´s tricks? – What´s new?
– What´s fine! – How are you?

I’m sure I know your face, but I just can’t recall your name;
Well, how´ve you been, old boy, you’re looking just about the same.

– Heigh ho! – That´s life!
– What´s new? – Howza wife?
– Gotta run! – Oh, my!
– Ta! Ta! – Olive oil! – Good bye!

Before they met again some twenty years they had to wait,
This time it happened up above inside St. Peter’s gate.
A harp each one was carrying and both were wearing wings,
And this is what they sang as they were strumming on the strings:

– Hello! – How are you?
– Howza folks? – What´s new?
– I´m great! – That´s good!
– Ha! Ha! – Knock wood!
– Well! Well! – What say?
– Howya been? – Nice day!
– How´s tricks? – What´s new?
– What´s fine! – How are you?

You’ve grown a little stouter since I saw you last, I think.
Come up and see me sometime and we’ll have a little drink.

– Heigh ho! – That´s life!
– What´s new? – Howza wife?
– Gotta run! – Oh, my!
– Ta! Ta! – Olive oil! – Good bye!

Música de George Gershwin e letra de Ira Gershwin, 1927

Verão (Summertime)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

É verão,
E a vida tá boa.
Quanto peixe!
E que lindo o algodão!
O papai tá rico
E a mamãe tá bonita.
Então, nenenzinho,
Chora não.

Um dia desses
Vais acordar cantando,
Vais abrir as asas
E o céu atingir.
Até tal dia,
Nada vai te fazer mal,
Com o papi e a mami
Junto a ti.

______________________________________________

Summertime,
And the livin’ is easy.
Fish are jumpin’
And the cotton is high.
Oh, your daddy’s rich
And your mom’s good lookin’.
So, hush, little baby,
Don’t you cry.

One of these mornings
You’re going to rise up singing.
Then you’ll spread your wings,
And you’ll take to the sky.
But till that morning
There’s a’ nothing can harm you,
With daddy and mommy
Standing by.

Música de George Gershwin e letra de Ira Gershwin e Dubose Heyward, 1935

Tenho um Xodó Por Ti (I´ve Got a Crush on You)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Seriam tão felizes
Joanas, Beatrizes,
Ah se
Ganhassem-me.

Você, tão persistente,
A mim, tão resistente,
Venceu –
E convenceu.

Oh meu grande e elegante, meu Romeu,
Sei que te ganhei, não sei como ocorreu.

Nem és assim perfeito,
Mas agitou meu peito
Te ver
Aparecer.

Tenho um xodó por ti,
Pão de mel;
Ando suspirando
Pra dedéu.
Eu nunca tive em mente
Me apaixonar tão intensamente.

Que tal eu,
Que tal tu,
Num chalé charmoso
Pra chuchu?
Do meu chamego tem dó,
Que eu tenho um xodó,
Meu broto, por ti.

Tenho um xodó por ti,
Pão de mel;
Ando suspirando
Pra dedéu.
Não é só azaração;
Provamos que há predestinação.

Topo eu,
Topo tu,
No chalé charmoso
Pra chuchu.
O teu chamego dá dó,
Que eu tenho um xodó,
Meu broto, por ti.

___________________________________________

How glad the many millions
Of Annabelles and Lillians
Would be
To capture me.

But you had such persistence
You wore down my resistance.
I fell –
And it was swell.

You´re my big and brave and handsome Romeo.
How I won you, I shall never, never know.

It´s not that you´re attractive –
But oh, my heart grew active
When you
Came into view.

I´ve got a crush on you,
Sweetie pie.
All the day and night-time
Hear me sigh.
I never had the least notion
That I could fall with so much emotion.

Could you coo?
Could you care
For a cunning cottage
We could share?
The world will pardon my mush,
´Cause I´ve got a crush,
My baby, on you.

I´ve got a crush on you,
Sweetie pie.
All the day and night-time
Hear me sigh.
This isn´t just a flertation;
We´re proving that there´s predestination.

I could coo,
I could care
For that cunning cottage
We could share.
Your mush I never shall shush,
´Cause I´ve got a crush,
My baby, on you.

Música de George Gershwin e letra de Ira Gershwin, 1928

Pintura


de “Não Vou Pro Céu Mas Já Não Vivo no Chão”, de João Bosco

2009_Joao_Bosco_Nao_Vou_pro_Ceu__Mas_Ja_Nao_Vivo_no_Chao_1024

Céu azul, azul, azul;
Cor-de-rosa pôr-do-sol;
Véu da aurora boreal;
Mar de estrelas lá no céu;
Luz de fogos na amplidão;
Lua-prata qual CD;
Preto eclipse do esplendor;
Arco-íris multicor:

Tudo, tudo isso não
Chega perto de você,
De seus olhos, seu olhar,
Suas pernas, seu andar,
Sua cara, coração,
Sua boca e um não-sei-quê,
De sua pele, sua cor –
Do seu corpo, meu amor…

Verdes pampas lá do Sul;
Costa Branca igual lençol;
Na vazante, o Pantanal;
Barcelona, Parque Guell;
Monte Fuji no Japão;
Garopaba em SC;
Amazônia, selva em flor;
Mar azul de Salvador:

Tudo, tudo isso não
Chega perto de você,
Nem da graça nem da cor
Do seu corpo, meu amor…