Arquivos da categoria: Elba Ramalho

Tenho um Xodó Por Ti (I´ve Got a Crush on You)


de “Nego”, de Carlos Rennó

2009_NEGO_Cancoes_americanas_em_versoes_brasileiras_1024

Seriam tão felizes
Joanas, Beatrizes,
Ah se
Ganhassem-me.

Você, tão persistente,
A mim, tão resistente,
Venceu –
E convenceu.

Oh meu grande e elegante, meu Romeu,
Sei que te ganhei, não sei como ocorreu.

Nem és assim perfeito,
Mas agitou meu peito
Te ver
Aparecer.

Tenho um xodó por ti,
Pão de mel;
Ando suspirando
Pra dedéu.
Eu nunca tive em mente
Me apaixonar tão intensamente.

Que tal eu,
Que tal tu,
Num chalé charmoso
Pra chuchu?
Do meu chamego tem dó,
Que eu tenho um xodó,
Meu broto, por ti.

Tenho um xodó por ti,
Pão de mel;
Ando suspirando
Pra dedéu.
Não é só azaração;
Provamos que há predestinação.

Topo eu,
Topo tu,
No chalé charmoso
Pra chuchu.
O teu chamego dá dó,
Que eu tenho um xodó,
Meu broto, por ti.

___________________________________________

How glad the many millions
Of Annabelles and Lillians
Would be
To capture me.

But you had such persistence
You wore down my resistance.
I fell –
And it was swell.

You´re my big and brave and handsome Romeo.
How I won you, I shall never, never know.

It´s not that you´re attractive –
But oh, my heart grew active
When you
Came into view.

I´ve got a crush on you,
Sweetie pie.
All the day and night-time
Hear me sigh.
I never had the least notion
That I could fall with so much emotion.

Could you coo?
Could you care
For a cunning cottage
We could share?
The world will pardon my mush,
´Cause I´ve got a crush,
My baby, on you.

I´ve got a crush on you,
Sweetie pie.
All the day and night-time
Hear me sigh.
This isn´t just a flertation;
We´re proving that there´s predestination.

I could coo,
I could care
For that cunning cottage
We could share.
Your mush I never shall shush,
´Cause I´ve got a crush,
My baby, on you.

Música de George Gershwin e letra de Ira Gershwin, 1928

Quando Eu Fecho Os Olhos


de “Vambora Lá Dançar”, de Elba Ramalho
2013_Elba_Ramalho_Vambora_La_Dancar_1024


de “Respeitem Meus Cabelos Brancos”, de Chico César
2002_Chico_Cesar_Respeitem_meus_cabelos__brancos_1024


de “Bossa Tropical”, de Gal Costa
2002_Gal_Bossa_tropical_1024

Aí você surgiu na minha frente,
E eu vi o espaço e o tempo em suspensão.
Senti no ar a força diferente
De um momento eterno desde então.

E aqui dentro de mim você demora;
Já tornou-se parte mesmo do meu ser.
E agora, em qualquer parte, a qualquer hora,
Quando eu fecho os olhos, vejo só você.

E cada um de nós é um a sós,
E uma só pessoa somos nós,
Unos num canto, numa voz.

O amor une os amantes em um ímã,
E num enigma claro se traduz;
Extremos se atraem, se aproximam
E se completam como sombra e luz.

E assim viemos, nos assimilando,
Nos assemelhando, a nos absorver.
E agora, não tem onde, não tem quando:
Quando eu fecho os olhos, vejo só você.

E cada um de nós é um a sós,
E uma só pessoa somos nós,
Unos num canto, numa voz.