Arquivos da categoria: Roberta Sá

Segunda Pele


de “Segunda Pele”, de Roberta Sá

2011_Roberta_Sa_Segunda_Pele_1024

À noite eu lhe convido:
“Querido, vem pra cá”
Um som no seu ouvido
Sussurra logo: “Vá!”
Por perto alguma gata
Já grita que nem fã
E logo o amor nos ata
Na noite, nossa irmã

Quando ele vem, faço dele
Minha luva, meu colant
A minha segunda pele
O meu cobertor de lã

São Paulo tá tão frio
Três graus, a sensação
Mas o seu arrepio
Não é de frio, não
Sou eu na sua pele
Que afago com afã
Pra que seu fogo pele
A sua anfitriã

Quando ele vem, faço dele
Minha luva, meu colant
A minha segunda pele
O meu cobertor de lã

Enquanto a noite passa
Aos braços da manhã
A gente ainda passa
Os dentes na maçã
O nosso amor é massa
Pra lá de Amsterdan
O resto é o resto, e passa
O resto é espuma, é spam

Quando ele vem, faço dele
Minha luva, meu colant
A minha segunda pele
O meu cobertor de lã

Quando ele vem, faço dele
Minha luva ou sutiã
A minha segunda pele
O meu cobertor de lã

Agora Sim

Amor assim, não tem, não, quem não queira
Quem me quer bem, é bem quem eu queria
Agora sim me sinto mais inteira
No meu caminho, nessa companhia

Agora sim me sinto mais inteira
No meu caminho, nessa companhia

Agora eu tenho quem come em minha mão
Que antes só, só em sonho eu tinha
Quem me completa mente e coração
E tá completamente sim, na minha

Dona Melancolia já não me detona sem dó
E a senhora Alegria já não me abandona
Pois agora eu não sou só eu só

(2x)

Agora eu tenho e ninguém me tira
Eu tenho amor que não é de mentira
Agora eu tenho quem eu tinha em mira
Eu tenho quem me tem e me admira

Amor assim…

Fogo e Gasolina


de “Que Belo Estranho Dia Pra Se Ter Alegria”, de Roberta Sá

2007_Roberta_Sa_Que_Belo_Estranho_Dia_Pra_Se_Ter_Alegria_1024

Você é um avião – eu sou um edifício
Eu sou um abrigo – você é um míssil
Eu sou a mata – você a moto-serra
Eu sou um terremoto – e você a terra

O nosso jogo é perigoso, menina
Nós somos fogo, nós somos fogo
Nós somos fogo e gasolina

Você é o fósforo – eu sou o pavio
Você é um torpedo – eu sou o navio
Você é o trem – e eu sou o trilho
Eu sou o dedo – e você é o meu gatilho

O nosso jogo é perigoso, menina
Nós somos fogo, nós somos fogo
Nós somos fogo e gasolina

Eu sou a veia – você é a agulha
Eu sou o gás – você é a fagulha
Eu sou o fogo – e você a gasolina
Eu sou a pólvora – e você a mina

O nosso jogo perigoso combina
Nós somos fogo, nós somos fogo
Nós somos fogo e gasolina

Samba de Amor e Ódio


de “Que Belo Estranho Dia Pra Se Ter Alegria”, de Roberta Sá

2007_Roberta_Sa_Que_Belo_Estranho_Dia_Pra_Se_Ter_Alegria_1024

Não há abrigo contra o mal,
Nem sequer
A ilha idílica na qual
A mulher
E o homem vivam afinal
Qual
Se quer,
Tão-só de amor num canto qual-
Quer.

Erra
Quem sonha com a paz mas sem a guerra.
O céu existe, pois existe a terra.
Assim também, nessa vida real,
Não há o bem sem o mal,

Nem há
Amor sem que uma hora o ódio venha;
Bendito ódio, o ódio que mantém a
Intensidade do amor, seu ardor;
A densidade do amor, seu vigor;
E a outra face do amor vem à flor,
Na flor que nasce do amor.

Porém, há que saber fazer,
Sem opor,
O bem ao mal prevalecer,
E o amor
Ao ódio inserto em nosso ser
Se impor,
E à dor, que é certa, o prazer
Sobrepor,
E ao frio que nos faz sofrer,
O calor,
E à guerra enfim a paz vencer.

Erra
Quem sonha com a paz mas sem a guerra…