Arquivos da categoria: Beto Villares

Terra Desolada

Um silêncio, um vazio,
Quase nem um pio.
Um calor, um calafrio;
Um clarão sombrio.

Vida seca, torta, morta
Pelo fogo mau;
Matagal agora só
É pedra, pó,
Fumaça e tocos…

Homens ocos, homens loucos,
Grandes vândalos!
Longa noite, que demanda luz…

Rastro de destruição,
Resto de tição.
Aves, árvores no chão;
Dor no coração.

Terra desolada
E assolada afinal;
Mata desmatada ao sol,
Queimada ao sol,
Sem vigilância.

Oh ganância, ignorância,
Que nos causa horror,
Indignado ódio, dó e dor!

Para Onde Vamos

Para onde vamos? Ah, onde vamos parar?
Nessa encruzilhada, que estrada vamos pegar?
Que perigo de mau tempo, temporal,
De temperatura em alta e de desastre existe pra todos nós afinal?

Que deslizamento de monte, que inundação
Nossos olhos tristes ainda inundarão?
Que desmate tem que ainda ocorrer,
Pra quebrar a pedra que tem no peito de quem depreda do alto e podre poder? (*)

Quanto tempo mais alguns vão fingir que não veem
O que eles veem porque fingir lhes convém?
Quantos homens, aos milhares, aos milhões,
Vão morrer de fome e de sede, vítimas de ações de outros homens de outras nações?

Que será do mundo que vemos, que mundo nós
Deixaremos às gerações que virão após?
Que futuro desenhamos, que manhã?
Nosso tino ou desatino hoje define nosso destino aqui amanhã.